Colunistas

Motociclismo e saúde

Trombose venosa e viagens.


05/05/2014 16h00

A trombose venosa profunda é uma doença causada pela formação de coágulos no interior das veias. Pode ocorrer durante ou após viagens, e está relacionada com a imobilidade prolongada e com fatores de risco do próprio viajante.O desprendimento destes coágulos pode resultar em embolia pulmonar, condição de emergência potencialmente fatal se não tratada em tempo hábil.

A imobilidade prolongada durante uma viagem, acontece quando uma pessoa permanece sentada praticamente em uma mesma posição, durante horas seguidas. O risco pode ser exacerbado pelo uso excessivo de medicamentos, álcool e fatores de risco pessoais, como uso de anticoncepcionais, obesidade, idade superior a quarenta anos, doenças cardíacas, gestação, etc.

A compressão prolongada das veias dos membros inferiores (pernas, coxas e nádegas) contra as bordas dos assentos e o tempo prolongado de imobilidade dificulta a circulação do sangue e facilita a formação de coágulos, favorecendo então o risco de trombose venosa profunda, sendo também mais significativo quando a duração da viagem é superior a cinco horas.

Fatores individuais de risco

- Doenças cardíacas como infartos ou cirurgias prévias de revascularização cardíaca;

- Uso de pílulas anticoncepcionais ou de terapia de reposição hormonal;

- Idade acima de 40 anos;

- Obesidade;

- Presença de varizes;

- Desidratação por qualquer motivo (como diarréia e ou vômitos. Ingestão excessiva de bebidas alcoólicas antes da viagem;

- Gravidez ou puerpério, principalmente nas primeiras 6 semanas após o parto;

- Episódio anterior de trombose venosa ou embolia pulmonar ou história de casos na família

- Qualquer tipo de câncer, tratado ou em tratamento;

- Cirurgia recente (últimos 3 meses);

- Trauma pélvico ou lombar recente (últimos 3 meses);

- Imobilização recente de membro inferior (últimos 3 meses) por mais de 24h;

- Doença hematológica que favoreça a trombose como policitemia, trombocitose, anemia falciforme, etc.

- Vasculites como arterite de Takayassu, lupus eritematoso sistêmico, esclerodermia, etc.

Manifestações

Na maioria das vezes (até 60%) a trombose venosa profunda é assintomática. As manifestações, quando ocorrem, podem aparecer durante ou após a viagem, em geral até o terceiro dia, incluindo a embolia pulmonar.

A trombose venosa profunda, em 90% das vezes, ocorre em apenas uma das pernas, mais comumente nas panturrilhas (“batata da perna”). Quando, no entanto, são acometidas as veias da coxa, existe um maior risco de embolia pulmonar. As manifestações mais comuns da trombose venosa profunda são a dor, a inchação (edema) e a vermelhidão (rubor) no local afetado (pernas, coxas, articulações). Quando presentes, pelo risco de embolia pulmonar, um médico deve ser procurado tão logo quanto possível.

A embolia pulmonar acontece quando há desprendimento dos coágulos das veias, que sob a forma de êmbolos podem causar a obstrução de vasos arteriais dos pulmões. A embolia pulmonar produz falta de ar de início súbito, dor torácica, e nos casos mais graves, diminuição da pressão arterial e, por vezes, morte súbita.

Medidas de prevenção

O risco de trombose venosa profunda, qualquer que seja o meio de transporte utilizado, pode ser reduzido por medidas simples, como não usar roupas apertadas e fazer pequenos exercícios durante a viagem, que devem ser observadas por todos os viajantes, com ou sem fatores individuais de risco.

- Não usar roupas e calçados apertados

- Não colocar bagagens embaixo das poltronas (restringe o movimento das pernas)

- Não ficar imóvel na poltrona. Mudar de posição com freqüência (facilita a circulação)

- Evitar cruzar as pernas (dificulta a circulação do sangue)

- Beber líquidos, como água e sucos (evita a desidratação)

- Evitar o uso de soníferos

- Evitar o uso de bebidas alcoólicas (podem causar sonolência e desidratação)

- Usar um apoio para os pés, para facilitar os exercícios

- Fazer exercícios com as pernas (movimentos de extensão, rotação e flexão dos pés)

- Andar, sempre que isto for possível e seguro

Como vimos acima, algumas medidas são limitantes com o uso da motocicleta, mas favoráveis pelo fato do próprio motociclista ditar o seu ritmo de viagem e fazer paradas mais freqüentes para movimentar as pernas e fazer exercícios e movimentos que ativem mais a circulação, favorecendo o retorno venoso.

O viajante deve ainda procurar utilizar meios de transporte com características favoráveis. Quando fizer a opção por uma empresa transportadora, por exemplo, deve incluir entre os critérios para a escolha o espaço disponível entre as poltronas. Em uma viagem de ônibus ou trem, deve procurar andar durante o intervalo das paradas. Em uma viagem de automóvel, o número de passageiros e a bagagem devem estar de acordo com a capacidade do veículo, para evitar restrição de movimentos. Além disto, periodicamente, devem ser programadas paradas em locais seguros, para que os ocupantes possam se movimentar fora do carro.

Portanto, se você se enquadra nas observações citadas acima, converse com o seu medico antes de encarar longas viagens.

Rodrigo Cavalganti Gonçalves
16 textos publicados

Rodriguim - Motociclista, Pediatra e ex atuante como Perito em Medicina de Tráfego. email: rodriggocg@gmail.com / blog: www.tijucomental.blogspot.com

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.17632 segundos