Notícias

Novidades

Avaliação: nova Honda CB 650R fica mais esportiva e moderna

Lançamento da Honda no Salão Duas Rodas 2019, naked de quatro cilindros ganhou suspensão invertida, freios radiais e controle de tração


Arthur Caldeira

Infomoto

20/11/2019 10h30

Fomos à Itália avaliar, em primeira mão, um dos principais lançamentos da Honda no Salão Duas Rodas 2019: a nova CB 650R. A naked média, que vem substituir a CB 650F, já traz no nome a dica de que ficou mais esportiva: trocou o sufixo "F" de Fun (diversão) para receber o R de Racing (competição). Ganhou suspensões invertidas, freios radiais, melhorias no motor e até controle de tração. A nova CB 650R deve chegar ao mercado no primeiro trimestre do próximo ano, mas seu preço ainda não foi definido.

A naked média foi completamente renovada. Ganhou um design inspirado na CB 1000R , que mescla o clássico e o moderno, com linhas angulosas e um farol redondo com iluminação diurna e LEDs, também presentes na lanterna traseira e piscas. O painel, totalmente digital, também é novo: traz velocímetro, conta-giros, marcador de combustível, computador de bordo e um útil indicador de marcha engatada.

Mais leve, porém com a mesma potência

Mas as mudanças não se restringiram ao corpo, a naked média também está de alma nova. O chassi perdeu peso e o motor de quatro cilindros em linha, 649 cm³ de capacidade, DOHC, e refrigeração líquida foi retrabalhado para oferecer mais torque em médios regimes e 5% mais potência acima de 10.000 giros. Uma receita infalível para melhorar o desempenho.

Entre as mudanças estão uma maior caixa de ar, novos dutos de admissão e até mesmo a adoção de velas de Irídio, o que fez com que a potência na Europa subisse para 95 cv e o torque, para 6,5 kgf.m – mas, no Brasil, em função das leis de emissão de ruídos, os números de desempenho são semelhantes aos da atual CB 650F, com 88,4 cv a 11.500 rpm e 6,13 kgf.m de torque a 8.000 giros. Uma decepção para os fãs da Hornet, que esperavam uma naked média mais potente da Honda.

Na prática, as alterações internas fizeram com que o tetracilíndrico crescesse de giros mais rapidamente e tivesse mais "força" em médios regimes. Passa a sensação de que o motor está sempre cheio e, não importando a marcha engatada, há fôlego para ultrapassagens.

Durante a avaliação, o consumo, indicado no painel digital foi de 23,8 km/litro. Semelhante ao modelo anterior, mas agora a naked de 650cc tem um tanque de menor capacidade: comporta apenas 15,4 litros contra os 17,3 litros da 650F. A autonomia deve superar os 350 km.

Outra novidade foi a adoção de um acelerador eletrônico que permitiu a instalação do controle de tração, tecnologia que evita derrapagens da roda traseira em pisos de baixa aderência. Durante o primeiro contato com o modelo, pela região de Roma, na Itália, onde fizemos a avaliação debaixo de chuva, o sistema foi bastante útil e garantiu a segurança em saídas de semáforos e nas acelerações.

A tal esportividade também está presente no conjunto ciclístico. Além do quadro ser 6 kg mais leve – o que reduziu o peso a seco para 191 kg, ou seja, 4 kg a menos do que a antiga 650F -, a nova CB 650R ganhou suspensão invertida sem ajustes, na dianteira, mas o amortecedor traseiro traz sete níveis de regulagem na pré-carga da mola. Na prática, em função do menor peso e do entre-eixos um pouco reduzido, a naked média tem uma condução mais leve em manobras e transmite mais confiança nas curvas.

Vale ainda destacar o novo conjunto de freios. Para "parar" o desempenho extra, as pinças dianteiras de quatro pistões agora são fixadas radialmente e "mordem" discos flutuantes de 310 mm, enquanto, na roda traseira, há uma pinça de pistão único e disco de 240 mm – o ABS de dois canais é de série. As rodas são de alumínio e montam pneus radiais 120/70-ZR17 (diante.) e 180/55-ZR17 (tras.).

No geral, a CB 650R resgata a esportividade da linha CB da Honda e deve fazer sucesso entre os motociclistas que procuram uma naked média com bom desempenho e visual moderno.

Honda CB 650R 2020

Motor Quatro cilindros em linha, 649 cm³, 16 válvulas, DOHC, arrefecimento líquido

Potência máxima 88,4 cv a 11.500 rpm

Torque máximo 6,13 kgf.m a 8.000 rpm

Diâmetro x curso 67,0 x 46,0 mm

Alimentação Injeção Eletrônica de combustível

Taxa de compressão 11,6 : 1

Sistema de partida Elétrica

Capacidade do tanque 15,4 litros

Câmbio 6 velocidades

Transmissão final Corrente

Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido com 120 mm de curso

Suspensão traseira Monoamortecida, 128 mm de curso com ajuste na pré-carga da mola

Freio dianteiro Discos duplos flutuantes de 310 mm e pinças radiais de quatro pistões (ABS)

Freio traseiro Disco simples de 240 mm com pinça de pistão simples (ABS)

Pneu dianteiro 120/70 – ZR17 M/C

Pneu traseiro 180/55 – ZR17 M/C

Altura do assento 810 mm

Altura mínima do solo 148 mm

Quadro Dupla trave superior em aço

Dimensões (c x l x a) 2.135 x 784 x 1.076 mm

Entre-eixos 1.449 mm Peso seco 191 kg Preço ainda não definido

Notícias relacionadas

A exótica italiana de R$ 360 mil

Você teria uma Royal Enfield Scrambler na garagem?

Triumph Tiger 900 começa a ser vendida na Índia. E no Brasil, quando será?

Royal Enfield Meteor 350 será lançada na Índia no fim de junho

Mais uma da série "motos que gostaríamos de ter por aqui"...

Yamaha registra patente das novas Fazer 250 e MT-03 no Brasil

Kawasaki Vulcan vai ganhar versão H2

Harley FXDR ganha edição limitada

Triumph Scrambler ganha série especial "Bond Edition"

Harley-Davidson adia lançamentos de big trail e de streefighter

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.08829 segundos