Notícias

Proprietários relatam problema nas Royal Enfield Himalayan

Em carta aberta à marca, usuários da moto apontam detonação e pré-ignição no motor, e pedem providências


Roberto Dutra

Mototour

14/10/2020 17h21

A Royal Enfield enfrenta sua primeira reclamação coletiva no Brasil. Em carta aberta à diretoria da subsidiária brasileira (com cópia para a matriz indiana), cerca de 40 proprietários do modelo Himalayan pedem que a marca tome providências em relação a um problema que tem sido identificado no motor do modelo.

Segundo eles, tem sido identificado "um som intermitente e metálico quando o motor encontra-se quente, após algum tempo de pilotagem, geralmente em rodovias, em subidas e retas, ocorrendo frequentemente entre as 4.000rpm e as 5.500rpm". Pesquisas feitas pelos proprietários apontam para problemas de detonação e/ou pré-ignição, que também levaria a "perda de potência e superaquecimento". Os dois fenômenos são parecidos, e fazem com que o combustível queime antes do momento ideal. Mas causa muda, e aí está a diferença.

A detonação, também conhecida como "batida de pino", costuma ser provocada por combustível de má qualidade e com baixa octanagem, mas também - e principalmente - por uma mistura não ideal, pobre - ou seja, com mais ar do que combustível. Assim, quando ocorre a compressão, vem uma combustão espontânea da mistura, o que gera uma pressão acima do normal - o que causa o tal som estranho chamado de "batida de pino".

Esse processo gera vários danos ao motor: superaquecimento, resíduos na câmara de combustão e desgaste prematuro na cabeça do pistão, entre outros. Esse resíduos, por sua vez, causam a pré-ignição, pois ficam incandescentes na câmara de combustão e geram a queima de combustível antes do momento ideal. Em casos graves, a pré-ignição pode causar danos graves, como perfuração do pistão e até quebra do virabrequim.

Os proprietários das Himalayan, então, relatam pertinente preocupação com peças do motor, tais como cabeçote, pistão e cilindro. E alertam, ainda, que a culpa não pode ser meramente de combustível de má qualidade, visto que a moto foi homologada para funcionar com a gasolina brasileira e que alguns motores apresentaram os mesmos sintomas durante "testes feitos com combustíveis comprovadamente bons".

A carta com os cerca de 40 subscritos estão no link www.royalriders.com.br/cartaaberta/, no site que reúne os proprietários da marca. Assim como eles, nós aqui também aguardamos uma posição da Royal Enfield do Brasil.

Notícias relacionadas

Ducati XDiavel ganha nova versão na Itália

Royal Enfield Classic 500 volta ao mercado

Triumph Speed Twin ganha linha 2021 na Inglaterra

Kymco lança scooter com pegada "aventureira"

Nova geração da Honda Transalp está a caminho?

Triumph lança sistema de navegação

Com novas cores e grafismos, Yamaha MT-07 2022 já está à venda

Harley-Davidson tira dúvidas sobre moto, pilotagem e equipamentos de segurança

Yamaha lança a esportiva R7 na Europa. Será que vem para o Brasil?

Triumph cria modelo especial da Thruxton 1.200 RS para evento anual

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados